Eu amo o dia do Senhor

[Por: Rev. Robert Murray McCheyne]

“O Sábado foi feito para o homem”

CAROS CONTERRÂNEOS, como servo de Deus neste dia escuro e nublado, sinto-me obrigado a levantar minha voz em nome da inteira santificação do dia do Senhor. O ataque ousado que agora está sendo feito por alguns dos diretores da Ferroviária de Edimburgo e Glasgow, sobre a lei de Deus e a paz de nosso Sabbath [1] escocês – o movimento blasfemo que eles intentam propor aos acionistas em fevereiro próximo – e os panfletos ímpios que agora estão sendo distribuídos em milhares, cheios de toda sorte de mentiras e impiedades – clama em alta voz pelo calmo e deliberado testemunho de todos os fiéis ministros e dos cristãos em particular em nome do dia santo de Deus. Em nome de todo o povo de Deus nesta cidade e nesta terra, eu recomendo a sua desapaixonada consideração do seguinte:

Razões porque amamos o dia do Senhor

I. Porque é o dia do Senhor – “Este é o dia que o SENHOR fez; regozijemo-nos e alegremo-nos nele” (Sl 118:24). “Achei-me em espírito, no dia do Senhor” (Ap 1:10). É Dele por Seu exemplo. É o dia em que Ele descansou da Sua grandiosa obra da redenção. Assim como Deus descansou no sétimo dia de todas as suas obras, razão pela qual Deus abençoou o dia de Sábado e o santificou; da mesma forma o Senhor Jesus descansou neste dia de toda a Sua agonia, dor e humilhação (Hb 4:9). O dia do Senhor é Sua propriedade assim como a Ceia do Senhor. É a Sua mesa. Ele é o pão. Ele é o vinho. Ele é quem convida os que vão participar da Sua Ceia. Ele os enche com alegria e com o Espírito Santo. Assim é com o dia do Senhor. Todos os dias do ano são de Cristo, mas Ele tem apontado um como particularmente Seu. “É o dia que Ele fez”, ou apontou como Seu. Assim como Ele plantou um jardim no Éden e pôs uma cerca em volta dele, da mesma forma Ele pôs uma cerca ao redor deste dia e o fez Seu. Esta é a razão porque amamos e o guardaríamos por inteiro. Nós amamos tudo o que é de Cristo. Nós amamos Sua Palavra. É melhor para nós do que milhares de ouro e prata. “Oh como amamos Sua lei! É nosso estudo o dia inteiro”. Nós amamos Sua casa, é nosso lugar de encontro com Cristo; é onde Ele nos encontra e comunga conosco do trono da misericórdia. Nós amamos Sua mesa. É Seu banquete, onde Seu pendão sobre nós é amor, onde Ele nos liberta, unge nossos olhos e faz nosso coração arder de alegria. Nós amamos Seu povo porque eles são Seus, membros do Seu corpo, lavados em Seu sangue, enchidos com Seu Espírito, nossos irmãos e irmãs para a eternidade. Nós amamos o dia do Senhor porque é Dele. Cada hora desse dia é amada por nós, é mais doce do que o mel, mais preciosa que o ouro. É o dia em que Ele ressuscitou para a nossa justificação. Este dia nos faz lembrar Seu amor, Sua obra consumada e Seu descanso. E nós podemos dizer corajosamente que aquele que não ama o Senhor Jesus Cristo, não ama inteiramente o dia do Senhor. Oh, violadores do Sabbath, quem quer que seja você; você é um ladrão daquilo que é santo. Quando você rouba as horas do dia do Senhor para negócios ou prazeres, você está roubando de Cristo as preciosas horas que Ele diz serem Dele. Você não ficaria chocado se um plano fosse deliberadamente proposto para derrubar a cerca que protege a mesa do Senhor, e fazê-la se tornar uma refeição comum, ou um banquete para o devasso e para o beberrão? Não seriam feridos seus melhores sentimentos ao ver a taça prateada da comunhão sendo feita uma taça de orgia nas mãos do beberrão? E ainda é melhor a proposta dos diretores desta Ferroviária?  “O dia do Senhor” é Seu dia tanto quanto “A mesa do Senhor” é a Sua mesa. Certamente, nós bem que podemos dizer, usando as palavras do Dr. Love, aquele eminente servo de Cristo, que já está no eterno Sabbath“Amaldiçoado é o ganho, amaldiçoada é a recreação, amaldiçoada é a prosperidade, que é obtida na transgressão criminal desse dia sagrado”.

II. Porque é uma relíquia do Paraíso e um tipo do Céu – O primeiro Sabbath alvoreceu num paraíso sem pecado. Quando Adão foi criado na imagem do seu Criador, ele foi colocado no jardim para cultivá-lo e mantê-lo. Sem dúvida isso lhe tirou muita energia. Fazer o luxurioso vinho, juntar as frutas da figueira e manuseá-las, conduzir a água para as árvores frutíferas e para as flores, requereu dele todo seu tempo e toda a sua habilidade. O homem nunca foi feito para ficar à toa. Quando chegava o dia de Sábado, seus instrumentos rurais eram postos de lado e o jardim já não era sua prioridade. Sua calma e sua mente pura enxergavam além das coisas que se podiam ver até o mundo das realidades eternas. Ele andou com Deus no jardim, buscando conhecimento mais profundo de Jeová e de Seus caminhos; seu coração ardeu mais e mais com santo amor, e seus lábios transbordavam de louvor seráfico. Mesmo no paraíso o homem precisou do Sabbath. Sem ele o próprio Éden seria incompleto. Quão pouco eles conhecem as alegrias do Éden, o deleite de um andar santo e bem próximo de Deus. Quem arrancaria da Escócia esta relíquia de um mundo sem pecado! É também um tipo do Céu. Quando um crente põe de lado seus cuidados e afazeres deste mundo e vem para casa de Deus, é como a manhã da ressurreição, o dia em que sairemos da grande tribulação e entraremos na presença de Deus e do Cordeiro. Quando ele ouve a Palavra pregada e escuta a voz do pastor guiando e alimentando sua alma, isso o lembra o dia em que o Cordeiro que está no meio do trono, irá alimentá-lo e guiá-lo para as fontes de água viva. Quando ele participar dos salmos de louvor, isso o lembra o dia em que suas mãos irão tocar na harpa de Deus – Onde as congregações não se dividem e os Sabbaths não têm fim.

Quando ele se retira e encontra-se com Deus em secreto, ou como Isaque, em algum lugar favorito próximo de seu lar, isso o lembra o dia quando “ele será uma coluna no santuário de Deus e de lá jamais sairá” (Ap. 3:12). Esta é a razão porque amamos o dia do Senhor. Esta é a razão porque chamamos o “Sabbath um deleite” (Is 58:13,14). Um Sabbath bem aproveitado é como se fosse um dia do Céu sobre a terra. Por essa razão queremos que nossos Sabbaths sejam inteiramente consagrados a Deus. Nós amamos passar todo o tempo em exercícios públicos e privados de adoração a Deus, exceto quando muito tempo é usado em obras de misericórdia e necessidade. Nós amamos levantar cedo neste dia e deitarmos tarde, para que tenhamos um longo dia com Deus. Quantos podem saber, através disso, que nunca estarão no Céu! Uma palha na superfície pode dizer que caminho a correnteza está seguindo. Você odeia um santo dia do Senhor? É um tipo de inferno para você, estar com aqueles que estritamente guardam o dia do Senhor? O escritor dessas linhas já se sentiu como você. Você não descansa e fica preocupado. Você diz: “Quando este dia vai acabar para que possamos vender cereal?” (Am 8:5). Ah, logo vai acabar e você estará no inferno. Inferno é o único lugar para você. O Céu é um longo santo dia do Senhor sem fim. Não há Sabbaths no inferno.

III. Porque é um dia de bênçãos – Quando Deus instituiu o Sábado no Paraíso, foi dito: “Deus abençoou o Sábado e o santificou” (Gn 2:3). Ele não apenas o separou como um dia sagrado, mas o fez um dia de bênção. Novamente, quando o Senhor Jesus ressuscitou dos mortos no primeiro dia da semana antes do amanhecer, Ele se revelou no mesmo dia a dois discípulos que estavam indo para Emaús e fez o coração deles arder dentro deles (Lc 24:13). Na mesma noite Ele veio e apareceu no meio dos discípulos e disse: “Paz seja convosco”; e Ele soprou neles e disse: “recebei o Espírito Santo” (Jo 20:19). Novamente, depois de oito dias – que é o dia do Senhor – Jesus veio e pôs-se no meio deles revelando-se com graça indizível ao incrédulo Tomé (Jo 20:26). Também foi no dia do Senhor que o Espírito Santo foi derramado no Pentecoste (At 2:1; compare com Lv 23:15,16). Este é o começo de toda bênção espiritual, aquele primeiro avivamento da Igreja Cristã foi no dia do Senhor. Foi no mesmo dia que o amado João, no exílio na ilha de Patmos, longe da assembléia dos santos, ficou cheio do Espírito Santo e recebeu sua revelação celestial. Assim em todas as eras, desde o começo do mundo e em todo lugar onde há um crente, o Sabbath tem sido um dia de bênção dobrada. E ainda é e será, ainda que todos os inimigos de Deus devam ranger seus dentes contra este dia. É verdade que Deus é o Deus da livre graça e Ele não confina Sua obra a algum tempo ou lugar; mas é igualmente verdade, e todo o escárnio dos infiéis não podem mudar isso, que agrada a Ele abençoar sua Palavra mais no dia do Senhor. Todos fiéis ministros do Senhor em todo lugar podem testemunhar que pecadores são convertidos mais frequentemente no dia do Senhor; quando Jesus vem e se revela através das ordenanças oferecidas no Seu próprio Dia. Santos como João, são cheios do Espírito Santo no dia do Senhor, e se deleitam em suas calmas e profundas visões do mundo eterno. Homens infelizes que estão lutando para roubar nossa amada Escócia desse dia de bênção dobrada “vós não sabeis o que fazes”. Vocês iriam tirar de nossos queridos conterrâneos o dia em que Deus abre as janelas dos céus e derrama bênçãos. Vocês querem fazer os céus sobre a Escócia como bronze e os corações de nosso povo como aço. Isso é o som dos sinos dourados de nosso Eterno Sumo Sacerdote nas montanhas de nossa terra, e o sopro do Espírito Santo sobre muitos de nossos fariseus que têm levantado sua satânica manifestação para sufocar o som da misericórdia pelo ensurdecer barulho das carruagens da estrada de ferro? É esse o retorno vigoroso da reavivada e imaculada Igreja da Escócia que tem aberto as torrentes de blasfêmia que você derrama contra o Senhor do Sábado? As suas almas definhadas não têm necessidade de uma gota vinda do céu? Pode não ser o caso que alguns de vocês estão blasfemando o próprio dia em que sua alma pode ser salva? Não é possível que alguns de vocês possam lembrar, com lágrimas de angústia no inferno, as manifestações que vocês agora estão fazendo, contra a luz e contra a exortação, para arruinar suas próprias almas e a religião da Escócia? Para todos que são filhos de Deus nesta terra, eu darei agora, em nome do nosso comum Salvador, que é o Senhor do Sábado, uma:

Palavra de Exortação 

I. Valorize o dia do Senhor. Quanto mais os outros o pisarem e o odiarem, ame-o ainda mais. Quanto mais alto a tempestade de blasfêmia uivar ao seu redor, sente-se o mais próximo possível aos pés de Jesus. “Ele deve reinar até que ponha seus inimigos por estrado de seus pés”. Diligentemente aproveite todo o tempo santo. Deve ser o dia mais ocupado dos sete, mas apenas nos negócios da eternidade. Evite o pecado neste dia santo. Os filhos de Deus devem evitar o pecado todos os dias, mas mais ainda no dia do Senhor. É um dia de maldição dobrada assim como é um dia de bênção dobrada. O mundo irá ter que responder terrivelmente pelos pecados cometidos nas horas santas. Passe o dia do Senhor na presença do Senhor. Passe esse dia como se fosse um dia no céu. Passe muito tempo em louvor e em obras de misericórdia como Jesus fez.

II. Defenda o dia do Senhor. Levante um calmo e destemido testemunho contra toda a profanação do dia do Senhor. Use toda a sua influência, seja como um estadista, como um magistrado, um mestre, um pai, ou um amigo, tanto pública quanto privadamente, para defender o dia do Senhor por inteiro. Este dever é colocado sobre você no Quarto Mandamento. Nunca veja o dia do Senhor sendo violado sem reprovar tal violação. Mesmo homens mundanos com todo seu orgulho e desprezo por nós, não podem tolerar serem convencidos da violação do Sabbath. Sempre se lembre que Deus e a Bíblia estão do seu lado, e que logo verá estes homens amaldiçoando seu próprio pecado e loucura quando for tarde demais. Que todos os filhos de Deus na Escócia levantem um testemunho unido, especialmente contra estas três profanações públicas do dia do Senhor:

 (I) O manter aberto as Salas públicas de Leitura – Nesta cidade, e em todas as grandes cidades da Escócia, me foi dito que você pode encontrar nas salas públicas de leitura, muitos de nossos homens de negócios se debruçando sobre os jornais e revistas em todas as horas do dia do Senhor; e especialmente nas noites deste dia, muitos desses lugares estão cheios como se fosse uma pequena igreja. Ah, homem culpado! Quão francamente você mostra que está no caminho largo que conduz a perdição. Se você fosse um assassino ou um adúltero, talvez você não ousaria negar isso. Você não sabe – e todos os sofismas do inferno não podem contestar – que o mesmo Deus que disse “Não matarás”, também disse, “Lembra-te do dia de Sábado para santificá-lo”? O assassino que é arrastado para a forca, e o polido violador do Sábado são um aos olhos de Deus.

 (II) O manter aberto Estabelecimentos Comerciais – Estabelecimentos comerciais é a maldição da Escócia. Eu nunca vejo uma placa “Permitido vender bebidas”, sem pensar que é uma permissão para arruinar almas. Eles são o bocejar do caminho para a miséria nesta vida, e, como outro tem dito: “o atalho para o inferno”. É para ser mansamente tolerado nesta terra da luz e da Reforma, que essas casas de praga e antros de iniqüidades – que são armadilhas para preciosas almas – sejam abertas no Sabbath, ou melhor, que será enriquecida e mantida à tona por esse tráfego profano, muitos deles declarando que não poderiam manter sua loja, se não fosse para o mercado do dia do Senhor? Certamente bem que podemos dizer: “Amaldiçoado seja o ganho obtido nesse dia”. Pobre homem miserável! Você não sabe que cada moeda que cai sobre seu balcão neste dia irá devora sua carne como se fosse fogo – que cada gota de líquido venenoso engolido em seus palácios do álcool servirá apenas para acender a chama do “fogo que não se apaga”?

 (III) Trens de Domingo sobre a Estrada de Ferro – A maioria dos diretores da Ferroviária de Edimburgo e Glasgow tem mostrado sua determinação, de uma maneira que tem chocado todos os homens de bem, em abrir a Ferroviária no dia do Senhor. As comportas da infidelidade têm se aberto ao mesmo tempo, e uma enchente extensa de blasfêmia está sendo derramada sobre a terra, criticando o santo dia de Deus, como se não houvesse olhos no céu nem Rei no Monte Sião, ou dia de ajuste de contas. Cristãos conterrâneos acordem! E sejam cheios do mesmo Espírito que libertou nosso país das escuras superstições de Roma, vamos combater a vinda das ondas de infidelidade e inimizade do Sabbath. Homem culpado! Quem são aqueles que, sob satanás, estão guiando uma escura falange de violadores do Sabbath? A posição de vocês é solene. Vocês são ladrões. Vocês estão roubando Deus do Seu dia santo. Vocês são assassinos. Vocês matam as almas dos seus servos. Deus disse, “Não farás nenhuma obra, nem você, nem seu servo”, mas vocês compelem seus servos a quebrarem a lei de Deus e a venderem suas almas por ganho. Vocês pecam contra a Luz. Sua Bíblia e seu catecismo, as palavras de pais piedosos (talvez agora no Sabbath lá de cima), e o alto protesto dos homens tementes a Deus, estão soando em seus ouvidos enquanto vocês estão perpetrando este ato de vergonha e ainda se gloriando nisso. Vocês são traidores para nosso país. A lei de nosso país declara que vocês devem “observar um santo descanso em todo este dia das suas próprias palavras, obras e pensamentos”; e ainda vocês vêem isso como uma antiquada superstição. Não foi a violação do Sabbath que fez Deus se afastar de Israel? E vocês ainda trariam a mesma maldição sobre a Escócia agora. Vocês são suicidas morais, apunhalando suas próprias almas, proclamando ao mundo que vocês não fazem parte do povo de Deus, e apressando suas próprias almas a encontrarem o destino dos violadores do Sabbath. Concluindo, eu proponho, para a calma consideração de todo homem soberbo, o seguinte:

Sérias Questões

(1) Você pode citar um piedoso ministro, de qualquer denominação na Escócia, que não sustenta o dever da inteira santificação do dia do Senhor?

(2) Você já conheceu um vigoroso crente em qualquer país sob o céu – um que amou a Cristo e viveu uma vida santa – que não se deleitou em guardar santo o dia do Senhor por inteiro?

(3) É sábio aceitar a interpretação da vontade de Deus concernente ao dia do Senhor de “homens do mundo”, dos infiéis, dos escarnecedores, homens de vidas não santas, homens que estão cegos em todas as coisas divinas, homens que são inimigos da justiça, que citam as Escrituras livremente, como satanás fez, para enganar e trair?

(4) Se, em oposição ao testemunho uniforme dos mais sábios e santos homens de Deus, o claro aviso da Palavra, todas as palavras de nosso catecismo aprendido aos joelhos de sua mãe e a voz da sua ultrajante consciência, faz você entra na fileira dos violadores do Sabbath – não será isso um pecado contra a luz, isso não irá pesar sobre sua alma quando você estiver na hora da morte, isso não irá te encontrar no dia do julgamento?

Orando para que essas palavras de verdade e sóbrias possam ser de Deus e possam encontrar lugar em seus corações com poder divino – Eu permaneço, caro conterrâneo, como aquele que deseja o bem da sua alma.

18 de Dezembro, de 1842.

Escrituras para Meditação

1. O Sabbath ordenado: Êx 16:22-30; 20:8-11; 35:1-3; Lv 19:3-30; Dt 5:12-15; Ne 9:14.
2. Um sinal para o povo de Deus: Ex 31:12-17; 2Rs 4:23; Ez 20:12; Lm 1:7; Hb 4:9.
3. A violação do Sabbath sendo punida: Nm 15:32-36; Lv 26:33-35; 2Cr 36:21; Jr 17:19-27; Lm 2:6; Ez 20:12-26; Am 8:4-14.
4. Dia de bênçãos: Gn 2:2,3; Êx 16:24; Lv 24:8; Nm 28:9,10; Is 56:1-8, 58:13,14; Jo 20:1-9; At 2:1 com Lv 23:15; Ap 1:10.
5. Governantes devem guardar o Sabbath: Êx 20:10; Ne 13:15-22.
6. Sabbath no tempo do evangelho: Sl 118:24; Is 66:23; Ez 46:1; Mc 2:27,28; At 2:1; 20:6,7: 1Co 16:2; Ap 1:10.

[1] A palavra Sabbath, que é usada constantemente pelo autor, significa dia de descanso. Quando o autor usa essa palavra aplicando-a aos nossos dias, ele está se referindo ao dia do Senhor que é o primeiro dia da semana e não o sétimo.

Tradução: Joelson Galvão