De Deus e da Santíssima Trindade

I. Há somente um Deus (Dt 6:4; 1Co 8:4,6), vivo e verdadeiro (1Ts 1:9; Jr 10:10): o qual, é infinito em seu Ser e perfeição (Jó 11:7-9; Jó 26:14), um espírito puríssimo (Jo 4:24), invisível (1Tm 1:17), sem corpo ou membros (Dt 4:15,16; Jo 4:24 com Lc 24:39), ou paixões (At 14:11,15), é imutável (Tg 1:17; Ml 3:6), imenso (1Reis 8:27; Jr 23:23,24), eterno (Sl 90:2; 1Tm 1:17), incompreensível (Sl 145:3), onipotente (Gn 17:1; Ap 4:8), onisciente (Rm 16:27), santíssimo (Is 6:3; Ap 4:8), completamente livre (Sl 115:3) e absoluto (Ex 3:14), fazendo tudo para a sua própria glória (Pv 16:4; Rm 11:36) e segundo o conselho da sua própria vontade, que é reta e imutável (Ef 1:11). É cheio de amor (1Jo 4:8,16), é gracioso, misericordioso, longânimo, muito bondoso e verdadeiro, que perdoa a iniquidade, a transgressão e o pecado (Ex 34:6,7) galardoador dos que diligentemente o buscam (Hb 11:6) e, contudo, justíssimo e terrível em Seus juízos (Ne 9:32,33), pois odeia todo o pecado (Sl 5:5,6); de modo algum terá por inocente o culpado (Na 1:2,3; Ex 34:7).

II. Deus tem toda a vida (Jo 5:26), glória (At 7:2), bondade (Sl 119:68) e bem-aventurança (1Tm 6:15; Rm 9:5) em Si mesmo; Ele é todo suficiente para Si mesmo, pois não precisa das criaturas que trouxe à existência (At 17:24;25), não deriva delas glória alguma (Jó 22:2,3), mas somente manifesta a sua própria glória nelas, por elas, para elas e sobre elas. Ele é a única fonte de todo o ser, de quem e para quem, são todas as coisas (Rm 11:36); e sobre elas tem soberano domínio para fazer com elas, para elas e sobre elas tudo quanto quiser (Ap 4:11; 1Tm 6:15; Dn 4:25,35). Todas as coisas estão abertas e manifestas diante dele (Hb 4:13); o Seu conhecimento é infinito, infalível e independente da criatura (Rm 11:33,34; Sl 147:5), de sorte que para ele nada é contingente ou incerto (At 15:18; Ez 11:5) . Ele é santíssimo em todos os seus conselhos, em todas as suas obras e em todos os seus preceitos (Sl 145:17; Rm 7:12). Para Ele, da parte dos anjos, dos homens e de qualquer outra criatura, são devidos todo o culto, todo o serviço e obediência, que Ele há por bem requerer deles (Ap 5:12-14).

III. Na unidade da Divindade há três pessoas de uma mesma substância, poder e eternidade; Deus o Pai, Deus o Filho e Deus o Espírito Santo (1Jo 5:7; Mt 3:16,17; Mt 28:19; 2Co 13:14). O Pai não é de ninguém, não é nem gerado, nem procedente; o Filho é eternamente gerado do Pai (Jo 1:14,18); o Espírito Santo é eternamente procedente do Pai e do Filho (Jo 15:26; Gl 4:6).
___________________________________________________________________
CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER 1647 – CAPÍTULO II – DE DEUS E DA SANTÍSSIMA TRINDADE