O dever do Magistrado Civil

[Por: João Calvino]

“…Vamos observar o que é dito aqui muito bem, onde Paulo pede que oremos pelos magistrados, que sejam mantidos e preservados, para servirmos à Deus e para que a pureza da religião seja mantida. Vendo que o ofício dos magistrados tem esta finalidade, segue-se que não podemos mantê-los fora da Igreja. São partes e membros excelentes da Igreja… Por isso que os Profetas, quando falam do Reino de Nosso Senhor Jesus Cristo, que haveria de vir, exortam os reis e príncipes à prestar homenagens a Ele (Isaías 60:5,10,11). É verdade que todos os homens têm a obrigação de sacrificar à Deus na pessoa de Seu Filho, de se humilhar e de se ajoelhar diante dEle e que todo homem deve se esforçar para manter a pureza da verdade do Evangelho. Mas os reis são especialmente exortados. Por quê? Porque eles têm uma obrigação dupla, pois eles são postos em uma posição mais elevada do que os demais homens. Eles também precisam saber que eles são sujeitos à Deus e precisam trabalhar para manter a ordem da Igreja e do Cristianismo. E por esta causa é dito que os reis viriam além do mar, para trazer presentes e santos dons à Deus (Salmo 72:10,11) e também Davi disse, “Agora, pois, ó reis, sede prudentes; deixai-vos instruir, juízes da terra”. (Salmo 2:10).”…
___________________________________________________________________
João Calvino – sermão em II Timóteo 2:1-2
Tradução – Frank Brito
Fonte – Resistir e Construir