Uma visão geral dos efeitos da queda de Adão

“…Uma visão transitória dos afetos do homem caído vai corroborar com ainda mais firmeza esta verdade melancólica: antes colocados em primeiro lugar no paraíso de Deus, eles sempre foram mantidos dentro de limites adequados, resolvidos sobre próprias finalidades e, como tantos rios tranquilos, docemente, de forma espontânea e habitualmente desaguando em seu oceano, Deus. Mas agora o cenário é alterado, pois somos, naturalmente, cheios de paixões infames que, tal como uma torrente poderosa e impetuosa, leva tudo à sua frente. Nós amamos o que deveríamos odiar, e odiamos o que deveríamos amar; tememos o que devemos esperar, e esperamos o que devemos temer. Pior, nossos afetos às vezes sobem a uma altura de tal modo ingovernável que, apesar de nossos julgamentos estarem convencidos do contrário, ainda assim vamos satisfazer nossas paixões, embora à custa do nosso presente e bem-estar eterno. Sentimos uma guerra de nossos afetos, guerreando contra a lei de nossas mentes, e nos trazendo cativos à lei do pecado e da morte. Assim, video meliora proboque, deteriora foquor, isto é, “eu aprovo as coisas melhores, mas se sucedem as piores”: esta é também, muitas vezes, a prática de todos nós.”…
___________________________________________________________________
George Whitefield – The Potter and the Clay
Tradução – Cleber Olympio
Fonte – Militar Cristão