Não há união entre a Babilônia mística e a Sião mística

[Por: François Turrentini]

“…ela é a Babilônia mística, a partir do qual os piedosos são ordenados a sair (Ap 18: 4) como uma sociedade das mais diametralmente corruptas, oposta à Sião mística, a verdadeira Igreja de Cristo que é incompatível (asystatos) com ele. Tanto a descrição de João prova e os nossos próprios adversários não negam que por Babilônia não se entende outra coisa senão Roma. A descrição de João (Ap 17) pertence exatamente à ela e somente ela, especialmente quanto às duas marcas, que a distingue : que ela é a “eptalophos” da cidade , que “se assenta sobre sete montanhas“; (v. 9) e que ela obtém poder sobre os reis da terra (v. 10). É evidente que ela é das sete colinas e no tempo de João nenhum outro a não ser ela mesma era a dona do mundo, o chefe da terra e a rainha das nações, que nesta conta foi chamado pelos gregos “a cidade no poder.”…
___________________________________________________________________
François Turrentini – Institutes of Elenctic Theology, Vol. 3, p. 133 ou  Compêndio de Teologia Apologética , Editora Cultura Cristã
Tradução: Lucas Macedo