O Vosso Culto Racional

[Por: João Calvino]

Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.” [Romanos 12:1]

“…E se Deus for corretamente adorado à medida em que vamos regulando nossas ações em conformidade com seus mandamentos, então de nada nos valerão todas aquelas demais formas de culto que porventura viermos a engendrar, as quais ele com toda razão abomina, já que ele põe a obediência acima de qualquer sacrifício. O ser humano deleita-se com suas próprias invenções e (como diz o apóstolo alhures) com suas vãs exibições de sabedoria; mas aprendemos o que o celestial Juiz declara em oposição a tudo isso, quando nos fala por boca do apóstolo. Ao denominar o culto que Deus ordena de racional, ele repudia tudo quanto contrarie as normas de sua Palavra, como sendo mero esforço insensato, insípido e inconsequente.³”…

Nota
³A palavra λογικὴν, ‘racional‘, foi considerada por Origines, bem como por muitos depois dele, como uma designação do serviço em harmonia com a razão, em oposição aos sacrifícios sob a lei que não eram agradáveis à razão. Crisóstomo, porém, a quem também muitos seguiram, considerava a palavra no sentido do que é espiritual ou que pertence à mente em contradistinção ao serviço ritual e externo da lei. Não há, porém, exemplo de a palavra ter tal significado, exceto em 1 Pedro 2.2, que de forma alguma é decisivo. Seu significado é racional ou razoável, ou o que concorda com a palavra, segundo Phavorinus. Não há necessidade aqui de pressupor algum contraste. A expressão apenas designa o ato ou o serviço que o apóstolo prescreve; como se dissesse: “O que eu lhes exorto a fazer nada mais é que um serviço [culto ou liturgia] razoável, consistente com os ditames da razão. Deus fez grandes coisas por vós, e nada é mais certo e justo do que vos dedicardes totalmente a ele.” Este parece ser o significado óbvio. Atrair a atenção para outro tema, estabelecer a razão como um árbitro em questões de fé, é uma perversão sumária. E dizer que a palavra aqui significa o mesmo que em 1 Pedro 2.2 não é o que está em pauta aqui; pois como λόγος às vezes significa ‘palavra’, e às vezes ‘razão’, assim seu derivativo pode ter uma variedade afim.
___________________________________________________________________
João Calvino – Comentário de Romanos, p.488
Fonte: Biblioteca João Calvino