As certezas do cristão vem da Palavra

[Por: Thomas Brooks]

“…Que língua pode expressar, ou que coração pode conceber os temores, as dúvidas, as nuvens, as trevas, as perplexidades que surgem da alma que faz este tipo de raciocínio: Vejo que o semblante de Deus não é para comigo como era antes (Gn 31.5); por isso, com certeza a minha condição é má; não sinto mais aqueles movimentos que me animavam, que me alegravam e que me comoviam; já não tenho sensibilidade para aqueles impulsos e ações secretos e vivificantes do Espírito e de Sua graça em minha alma como tinha antes. Por isso, só posso concluir que Deus não é o meu Deus, que não sou amado por Ele, que não me encontro no estado de graça, e que até aqui eu só me enganei e enganei os outros. Certamente vou morrer em meus pecados!

Fazer da nossa sensibilidade e dos nossos sentimentos juízes das nossas condições só pode tornar-nos felizes e infelizes, justos e injustos, salvos e condenados num só dia, sim, numa só hora – quando os sentidos e a razão se assentam nas cátedras dos juízes! Deus estabeleceu a sua razão e os seus sentimentos como juízes das suas condições espirituais? Não. Então, por que você os declara seus juízes? (…) Pois bem, almas vacilantes, eis o conselho que lhes dou: creiam, creiam muito, e façam das Escrituras o único juiz das suas condições pessoais; mantenham o juízo da Palavra contra o juízo da razão e dos sentimentos. E agora note bem, cada um de vocês: se, com base numa séria confrontação do seu coração com a Palavra, e dos seus caminhos com a Palavra, a Palavra lhe disser que você é sincero, que é um Natanael, que é uma nova criatura, que nasceu de novo, que há em seu ser uma alma imortal, e outras incandescentes e gloriosas qualidades espirituais, agarre-se ao testemunho da Palavra, alegre-se com esse testemunho e não abra mais as portas para temores e dúvidas… Se a Palavra de Deus o declara feliz, nada poderá torná-lo infeliz (Sl 119.24).”…
___________________________________________________________________
Thomas Brooks – Céu na Terra Céu na Terra, Ed. PES, p. 129 e 130
Fonte – Puritanos e Puritanas (Facebook)