Não é Costume da Igreja Opor-se ao Uso da Cobertura de Cabeça

[Por: João Crisóstomo]

Mas, se alguém quiser ser contencioso, nós não temos tal costume, nem as igrejas de Deus.” [1 Coríntios 11:3]

“…É, portanto, disputa e não raciocínio, querer contestar. De resto, fez uma censura moderada, para incutir maior pudor, o que torna o discurso mais grave. Todavia, não temos esse costume de disputar, discutir e contradizer. Entretanto, não se detém, mas acrescenta: “Nem tampouco as Igrejas de Deus”, indicando que eles se opunham e resistiam à terra inteira, por não ceder. Mas, apesar de que então os coríntios disputassem, agora toda a terra aceita e observa essa lei. Tão grande é o poder do Crucificado.

Mas, receio que, tendo aceitado esse aspecto, encontrem-se algumas mulheres que agem com falta de modéstia, e apareçam sem véu de outro modo. Por isso, Paulo, ao escrever a Timóteo, não considerou suficiente ter dito isso, mas aditou outras observações: “Elas se enfeitem com pudor e modéstia; nem tranças, nem objetos de ouro” (1 Tm 2:9).

Efetivamente, visto que não devem ter a cabeça descoberta, mas, em toda parte usar o sinal de dependência, muito mais por obras haverão de mostrá-la. Sem dúvida, as mulheres antigas chamavam os próprios maridos com o nome de senhor, e davam-lhes a primazia. Mas também eles, retrucas, amavam suas mulheres. Eu o sei, não o ignoro, mas admoestamos acerca do que te convém, e não olhes o que cabe aos outros. Com efeito, ao exortarmos os meninos e lhes dizermos que obedeçam aos pais, porque está escrito: “Honra a teu pai e a tua mãe” (Ex 20:12), respondem-nos: Profere ainda as palavras seguintes: “E vós, pais, não deis a vossos filhos motivo de revolta contra vós” (Ef 6:4). E ao dizermos aos escravos que devem obedecer a seus senhores, e não quando vigiados (cf. Cl 3:22), eles ainda reclamam de nós as palavras subsequentes que preceituam admoestar aos senhores. Pois a eles também, replicam, Paulo mandou que desistam de ameaças.

Mas, não façamos assim, nem procuremos saber o que é ordenado aos outros, quando somos acusados do que nos compete. Se acaso encontras companheiro para os crimes, nem por isso ficas livre de culpa; considera somente o que te libera dos crimes. De fato, Adão atribuía a culpa à mulher e ela à serpente, mas isso não os liberou. Por conseguinte, não me digas agora isso, mas com gratidão esforça-te por cumprir os deveres para com teu marido. De fato, quando falo a teu marido, exortando a que te ame, e cuide de ti, não deixo que ele cite a lei imposta à mulher, mas exijo o cumprimento da lei escrita para ele. E tu, portanto, procura saber exatamente só o que te compete, e mostra-te bem comportada para com teu cônjuge. Pois, se obedeceres ao marido por causa de Deus, não me fales do que lhe cabe prestar, mas daquilo a que o legislador te fez sujeita, e procura observá-lo diligentemente. Aí está principalmente o que é obedecer a Deus e não transgredir a lei, embora sofras contrariedades.”…
___________________________________________________________________
João CrisóstomoPatrística – Comentário às cartas de São Paulo – 2 (Vigésima Sexta Homilia). Editora Paulus, p.211