O Canto dos Salmos no Culto

[Por: Wilhelmus à Brakel]

Os crentes têm isso em comum; que eles, grandes ou pequenos, são todos igualmente participantes de Deus, o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Eles são participantes iguais do Mediador, Jesus Cristo, e são igualmente participantes da plenitude de Jesus e de todos os Seus benefícios. As principais partes de tudo isso, mostramos anteriormente. Esta comunhão se manifesta em muitas e diversas ações. Primeiro, eles se juntarão diligentemente às assembleias do povo de Deus para ouvir a Palavra e participar dos sacramentos. Eles, com Davi, se alegram com isso (Sl 122: 1).

Eles se unem à igreja, à congregação e a todos os santos que estão presentes lá – e como companheiros professos se juntam a todos os que professam o Senhor Jesus. Ao fazer isso, testemunham que essa congregação é a igreja de Jesus Cristo; da qual eles são membros e têm comunhão com ela, têm os mesmos interesses e desejam viver e morrer com ela. Ao fazer isso, eles testemunham publicamente que confessam Jesus como o único Salvador e como o único Chefe da igreja. Dessa maneira, eles se revelam ao mundo e à congregação. Em um Espírito, eles se juntam a ela cantando os Salmos, invocando o Nome de Deus, ouvindo a Palavra de Deus da boca de Seus servos, e antecipam com saudade a bênção que Deus prometeu conceder a tais reuniões. Tudo isso é compreendido na exortação: “Não deixando a nossa congregação” (Hb 10:25).
___________________________________________________________________
Wilhelmus à Brakel – The Christian’s Reasonable Service. Vol. II, pp. 100-101

Outros volumes:
Volume 1 / Volume 2 / Volume 3 / Volume 4